quarta-feira, 9 de fevereiro de 2011

Arrependimento, Amor, Fim e Redenção - Saga Final

Aquelas malditas festas…
Como sofria o Coronel
Naquelas Malditas festas,
Seu coração,
Antes frio e sem medo,
Agora descongelado,
Sentia a dor da humilhação.

Estava deitado na cama...
Os pensamentos lhe corroíam.
Corroíam seu coração, sua cabeça...
Mas principalmente sua alma.

Alma atormentada...
Talvez pelas almas que atormentou,
Pelas torturas que praticou.
Quem sabe pelas risadas...
Não aquelas risadas de felicidade,
Mas sim, das risadas daquelas pobres carcaças.
Carcaças de pessoas humilhadas.

As noites nunca acabavam.
O sono nunca era tranqüilo.
Muitas vozes o atormentavam no escuro,
Mas algumas lhe davam esperanças e força.
Algumas lhe diziam coisas boas.
Muitas lhe diziam palavras de perdão e paz.

A porta do quarto se abriu lentamente...
Os pensamentos somem.
Ele olha, vê apenas um vulto...
Um vulto alvo e de cabelos negros
Um vulto com uma aura acalentadora
Um vulto com um olhar
Sereno e apaixonado.

Em segundos o beijo apaixonado acontece...
Em segundos os corpos se entrelaçam...
O cheiro dela era puro,
Seu gosto era doce...
Doce como uma fruta silvestre.


Nunca em sua vida,
Ela sentira tanto amor.
Nunca recebera tanto carinho...
Ela nunca havia conhecido um homem.
Ficou com medo daquele,
Ele era grande e pouco delicado.
Mas seu coração a empurrou.
Seu corpo não a obedeceu.
Sua alma a acalmou.

As almas apaixonadas viajaram...
Saíram daquele local de guerra e tristeza.
Naqueles longos minutos
Seus corpos...
Suas almas se transformaram em uma só.

Eles se tornaram um só.
Não apenas durante aquele ato de amor,
Mas também durante as horas...
As horas que passaram apenas ouvindo...
Ouvindo as respirações e os corações.
Sincronizados, como se só um fossem.

Não dormiram...
Não queriam que aquela noite acabasse.
Promessas de amor foram feitas.
Mas uma a mais importante...
A baixa do Herói de Guerra.
O fim da carreira do caçador de judeus.

Ele havia desistido daquela loucura.
Queria paz para sua alma.
Queria voltar para a fazenda
No interior da Alemanha.
Ele e sua família.
Seu pequeno anjo e sua agora Esposa.

Como todos os dias ele levantou.
Vestiu com esmero sua farda.
Todas aquelas insígnias...
Não lhe davam tanto orgulho
Estava decidido...
Pelo amor, por sua família,
Abandonaria o seu orgulho...
Pediria sua baixa.

Ao sair do sobrado percebeu uma inquietação.
Muitos jipes em disparada.
Correria de soldados.
Correu ao QG.
Todos jogavam papeis no fogo.
Eram arquivos com nomes e locais.
Ele conhecia os papeis,
Eram relatórios diários
Mandados ao Alto Comando.
Nomes de judeus e os locais onde se encontravam.
Nomes dos Campos de Concentração.

Foi ao encontro do Comandante da ocupação.
Aquele homem sisudo e imponente
Estava com cara de criança que fizera traquinagem
Criança que aguardava o castigo iminente.
Perguntou-lhe o que estava acontecendo.
O Comandante apenas respondeu:
“Os Russos chegaram...
Passaram todas as nossas defesas...
O Alto comando ordenou RETIRADA!”

O Coronel sentiu sua espinha congelar...
Sabia que seria julgado e condenado.
Seus atos contra os judeus
Eram imperdoáveis.

Esqueceu seu orgulho e correu...
Correu para o sobrado.
Precisava fugir.
Enquanto corria pesou...
Agora sei como se sentiam aqueles coitados.
Sabia o que era se sentir caçado.
Sentiu o sabor na morte chegando.

Entrou em casa esbaforido...
Apenas gritava: “Arrumem o que puderem...
Temos que sair daqui... Os Russos chegaram!”
Mal teve tempo de terminar a frase.
A porta foi aberta com um chute.
6 homens falando um Alemão arrastado gritavam:
“Para o chão porco assassino!”

Não sabia o que fazer...
As armas engatilhadas miravam seu corpo...
Em um piscar de olhos estava dominado.
Dois lhe seguravam pelo braço.
Outro segurava a criança que apenas gritava:
“Papai, Papai!”

Outros dois tinham muito trabalho
Ela era frágil, mas era forte.
Era a força do amor agindo em seu corpo.
Enquanto ela se debatia gritava:
“Ele não é assassino... Ele nos salvou!
Não levem meu amor... Ele é bom!
Não tirem minha família novamente!”

Sendo levado,
Completamente impotente,
Só pode olhar para trás...
Viu pela última vez aqueles olhos.
Estavam assustados e arregalados.

Mas por um segundo,
Aqueles olhos serenaram...
Ficaram daquele jeito acalentador.
Baixinho os lábios se moveram.
Ele só pode ler.
“EU TE AMO”.

Ele baixou a cabeça,
Uma lágrima correu seus olhos.
O Coronel se tornara um prisioneiro,
Estava a mercê dos inimigos,
Assim como muitos estiveram.
O sonho de ser feliz e ter uma família, acabou.

25 anos se passaram...
Um velho homem remoia seus pensamentos.
Quando ouve seu nome.
Um homem alto, loiro e de terno lhe chamara.
Ele sentiu algo na alma.
Reconhecera de algum lugar aquele jovem distinto?
Se apresentou como um médico tcheco.
E lhe chamou de papai.

O coração do Coronel prisioneiro,
Antes um homem forte e imponente
Hoje um homem velho enfraquecido pela idade,
Bateu mais forte...
Como se o tempo voltasse,
Ele vira aquela criança loira...
Aquele anjo que lia livros junto com sua amada.

Ele nunca a esquecera.
Segundo o jovem ela também.
Chorou ao saber que ela se fora a 3 anos.
Que rezava todas as noites...
Queria que aquele que Ela amou
Fosse lhe buscar no dia marcado pelo destino.
Viram fotos, choraram.
Ele era “Avô” de um menino com seu nome
E de uma menina muito esperta,
Aprendera tudo com sua “Avó”.
Mas com pesar receberam a notícia.
Chegara o fim a visita.
O jovem saiu prometendo voltar.
Ele jurou esperar.

Mas a promessa não se cumpriu,
Pela primeira vez,
Aquele honrado homem não cumpriu sua palavra.
Pois naquela mesma noite mais uma visita apareceu.
Uma figura alva, com cabelos negros.
Um olhar acalentador e sereno.
Ele chorou copiosamente.

Era Ela.
Ela também viera visitá-lo.
Não havia envelhecido.
Era igual como ele sempre lembrava.
Ela lhe ofereceu a mão e disse:
“Venha meu único AMOR
Vamos sair daqui.”

Ele segurou aquela mão delicada.
Saíram caminhando calmamente,
Conversavam empolgados,
Tinham muito a contar uma ao outro.
Saíram felizes e serenos.
Prometeram nunca mais se separarem.
Voltaram a ser um só...
Igual naquela noite mágica.



 

8 comentários:

  1. E agora???
    O que eu digo??
    Quando as palavras ficaram perdidas nas lágrimas...
    Vc me emociona com seus textos... Sagas de amor e dor que me tocam a alma tão profundo que nem vc mesmo, meu querido amigo, nem vc mesmo sabe o poder de suas palavras em minha alma!!!

    O amor sempre vence... mesmo quando derrotado pelo homem... pela dor que o homem insiste infligir a si mesmo e a seus semelhantes!
    O amor sempre vence...de um jeito ou de outro
    Nessa vida ou na próxima...
    As almas que se pertencem sempre se encontram para terminar suas histórias...
    Para se tornarem uma só na imensidão do amor...

    Beijos
    Amo seus textos

    ResponderExcluir
  2. Brilhante o final da saga!

    Tens o dom da escrita. Parabéns!

    ResponderExcluir
  3. Com atraso mas tô aqui!!!

    Cara emocionante! Muito bom mesmo... agora que venha uma próxima saga... Estarei atento!

    Abraço Gleds... continue nos proporcionando momentos de emoção como o desta saga!

    Fica com Deus!


    @imcarlosjunior

    ResponderExcluir
  4. Lindo demais! Sem palavras!

    Linda semana... dias de paz e alegrias!

    Beijos meus... com carinho!

    Sil

    ResponderExcluir
  5. Só para constar que passei por aqui!
    E a saga do contestado? Quero postar simultaneamente o primeiro capítulo lá no Alameda!
    E fiquem à vontade para usar o Ateliê do Alameda1976, viu!
    Abraços!

    ResponderExcluir
  6. AAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAH MORRI! *O*
    Que lindoo!

    não creio que acabou. MORRI!

    *O*

    ResponderExcluir
  7. Participe : QUERO GANHAR O LIVRO QUERIDO JOHN DO BLOG PSIUTEAMO.BLOGSPOT.COM http://psiuteamo.blogspot.com/

    ResponderExcluir